Bem-Vindo
A Clinica Oficina dos Mimos
Acordos/Protocolos
Informação para os Pais
Contactos
Clinica Pediátrica
Alergia Alimentar
Convulsões Febris
Eczema de Contacto
Enurese
Estomatite Aftosa
Facilitar o desenvolvimento da Linguagem dos 0-12 meses
Facilitar o desenvolvimento da Linguagem dos 12-24 meses
Facilitar o desenvolvimento da Linguagem dos 2-3 anos
Facilitar o desenvolvimento da Linguagem dos 3-4 anos
O que fazer quando o seu filho tem Febre?
Obesidade
Piolhos
Sol
Traumatismo Craneano
Eczema de Contacto
O que é o eczema de contacto?

O eczema de contacto é uma doença da pele frequente. Trata-se de uma reacção alérgica retardada. Como o nome indica, este tipo de eczema caracteriza-se pelo aparecimento de vermelhidão e inflamação no exacto local onde a pele esteve em contacto com um alergeno, uma substância específica causadora de alergia. A reacção surge de cada vez que há contacto com o alergeno.


Os alergenos

Descobrir qual o alergeno responsável é tarefa muitas vezes difícil e requer um prolongado diálogo entre o médico e o doente. Na maioria dos casos, os alergenos são substâncias vulgares, como:
  • O níquel contido nos botões dos jeans, nos brincos, nas pulseiras dos relógios
  • Fibras sintéticas como o nylon
  • Cosméticos como champôs, tinta para o cabelo, verniz de unhas, batom para os lábios, mesmo dentífricos
  • Medicamentos como antibióticos ou anestésicos locais
  • Certas madeiras e colas, etc.

Para identificar o alergeno, é muitas vezes necessário executar uma série de testes de “pele”, assim chamados porque são feitos na pele; estes testes consistem na colocação do alergeno ou alergenos suspeito (s) em contacto directo com o organismo, a fim de verificar se ocorre alguma reacção e, em caso afirmativo, medi-la. Avaliar os resultados destes testes nem sempre é fácil e requer toda a perícia do médico.
Quando se conclui que a única maneira de resolver o problema consiste em eliminar o alergeno que o provoca, o eczema de contacto pode causar graves problemas profissionais. É o caso dos cabeleireiros, trabalhadores de determinadas indústrias químicas (tinturaria, colas, medicamentos) ou de pedreiros que, por vezes, desenvolvem uma alergia ao crómio presente no cimento. Não admira que, alguns eczemas sejam considerados doenças profissionais.



Os sinais do eczema de contacto

A reacção alérgica só aparece tardiamente, em regra 1 ou 2 dias depois, por vezes 7 a 10 dias após o contacto com alergeno. O primeiro sinal é um rash chamado eritema. O sinal seguinte é a tumefacção, o edema. Após esta fase, aparecem geralmente vesículas. Quando rebentam, produzem um eczema exsudativo com a libertação de um fluido da pele. Os sinais podem agravar-se durante mais alguns dias, mesmo depois de o contacto com o alergeno ter cessado. Podem ser necessários vários dias para que os sintomas desapareçam completamente.
Embora o eczema de contacto apareça primeiro apenas no local onde a pele entrou em contacto com o alergeno, pode posteriormente estender-se a outras partes do corpo.


Prevenção e tratamento do eczema de contacto

Como para todas as alergias, a melhor coisa a fazer é, evidentemente, tentar eliminar o alergeno responsável logo que o médico o identifique. Infelizmente esta identificação é, com frequência, impossível. Não é nenhuma tragédia deixar de usar roupas ou jóias que contenham alergenos, mas deixar um trabalho porque se é alérgico a algum produto é uma questão completamente diferente.


Que pode ser feito em termos de tratamento?

Existem dois tipos de tratamento. O primeiro é o tratamento local, cujo objectivo é evitar a sobreinfecção. O eczema exsudativo requer aplicações de compressas frias e húmidas, de preferência com água mineral e um desinfectante suave. As compressas devem ser grossas para se manterem húmidas por muito tempo; devem ser renovadas 3 a 4 vezes por dia. Logo que o edema e a libertação de líquido diminuam, as áreas afectadas podem ser tratadas com uma solução de eosina, um anti-séptico, em água.

Imprima a versão PDF

 Clique aqui para marcar consulta